Casinhas nas árvores – um sonho de toda criança
22 de dezembro de 2020
Economia Verde
29 de dezembro de 2020
Exibir tudo

Do Pinheiro à árvore de Natal

As árvores são cercadas por simbologias relacionadas à sua imagem, e uma de suas mais populares tradições está associada à celebração do natal. A árvore de Natal é um elemento decorativo que pode ser visto em todos os locais nessa época do ano, anunciando a chegada dessa data tão importante para nossa cultura. Mas o que ela significa?

A árvore de Natal é normalmente uma árvore conífera de folhas perenes (um pinheiro) ou uma árvore artificial. Como parte da tradição, enfeita-se a árvore com bolas coloridas e outros adornos natalinos, como o sino de Natal.

O Pinheiro era uma árvore usada pelos antigos para decorar casas. Seus ramos verdes eram pendurados em portas e janelas e, algumas civilizações, acreditavam que isso afugentava maus espíritos.

O mês de dezembro é quando o Sol fica mais fraco no hemisfério norte, e acreditava-se que esse era um tempo de doenças e forças negativas. Pagãos da região dos países bálticos se preparavam cortando pinheiros e levando para seus lares e os enfeitavam de forma muito semelhante à que se faz nos atuais dias.

Essa tradição foi absorvida pelos Germânicos, que colocavam presentes para as crianças sob o carvalho sagrado de Odin. Porém, no início do século VIII, o monge beneditino São Bonifácio tentou acabar com essa crença pagã e decidiu associar o formato triangular do pinheiro à Santíssima Trindade e suas folhas resistentes e perenes à eternidade de Jesus. Nascia aí a Árvore de Natal.

Primeira árvore de Natal

A primeira árvore de Natal foi decorada em Riga, na Letónia, em 1510. Lá está documentado o primeiro uso de uma árvore nas celebrações de Natal e Ano Novo em uma praça.

Acredita-se também que esta tradição começou em 1530, na Alemanha, com Martinho Lutero. A história conta que, uma noite antes do Natal, ele estava andando pela floresta e olhou para cima para ver as estrelas brilhando por entre os galhos das árvores. Ele achou que aquilo era tão bonito que quis reproduzi-la em sua casa para que seus filhos pudessem ver. Ele levou uma árvore para casa e a enfeitou com velas.

Durante o século XIX a prática foi levada para outros países europeus e para os Estados Unidos. Apenas no século XX essa tradição chegou à América Latina. Atualmente essa tradição é comum a católicos, protestantes e ortodoxos.

Em 1846 a tradição popularizou-se, quando os membros da realeza, a Rainha Victoria e seu príncipe alemão, Albert, foram ilustrados no jornal de Londres com os seus filhos em torno de uma árvore de Natal, transformando o costume em moda, não só na Grã-Bretanha, mas em todos os países de língua inglesa, se espalhando depois para outras partes do mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *